Faleceu Professor de Matemática Euclydes Camponogara

0

Com pesar, a APUSM comunica o falecimento de seu associado professor EUCLYDES ANTONIO CAMPONOGARA, 82 anos, ocorrido no dia 1º de outubro, no Hospital de Caridade, onde estava internado há 17 dias. Foi sepultado no cemitério Santa Rita.
Euclides nasceu no dia 22 de maio de 1938, na localidade de Palma, distrito de Santa Maria. Filho de José Eugenio Camponogara e de Amábile Comin. Ainda menino, alimentando o desejo de ser padre, ingressou no seminário dos padres Palotinos em Faxinal do Soturno e depois em Vale Vêneto, locais aos quais ficou ligado ao longo da vida. Ali realizou seus estudos primário e médio. Em sua trajetória para tornar-se padre progrediu até a Filosofia, que foi cursada posteriormente no Colégio Máximo Palotino de Santa Maria.
Mesmo não seguindo a carreira religiosa, sempre foi um homem religioso. Em 1969, na localidade de Santos Anjos, terra de origem de sua esposa, casou com Isalda Teresinha Marin Camponogara. Tiveram três filhos: Eduardo, Fernanda e Ricardo, que lhe deram sete netos.
Euclydes formou-se em Matemática na UFSM e durante sua vida lecionou esta disciplina em diversos colégios de Santa Maria e de cidades da região. Colegas lembram que ele foi uma referência no ensino da matemática. Ele ministrou aulas de matemática em Vale Vêneto, Faxinal do Soturno, em Júlio de Castilhos, São Gabriel, e em Santa Maria no seminário diocesano São José, no Maneco, no Maria Rocha e em cursos preparatórios ao vestibular. Inclusive, em um ano, ele recebeu homenagens porque, em uma de suas turmas de aula, todos os alunos foram aprovados no vestibular da UFSM.
Por causa da pandemia, a esposa Isalda lembra que o velório precisou ser abreviado. Segundo ela, “Euclides foi um homem simples, viveu na simplicidade e assim foi enterrado”. Prezava muito a família e os amigos. E os que o levaram para sua última morada no cemitério Santa Rita, cantaram uma de suas músicas preferidas, “Mãezinha do Céu”.
LEMBRANÇAS DOS AMIGOS – O conterrâneo da Palma, Luiz Cioccari, lamentando por não poder estar presente na despedida de Euclides, manifestou nas redes sociais seu sentimento com a perda do amigo: “Tantas lembranças boas tenho de Euclides, principalmente dele ao tempo do Seminário”. E Cioccari lembrou que “é forte o sentimento de pesar de tantos amigos do Euclides, como o padre Xiko Bianchini, padre Valmor Righi, Oscar Luiz Fighera, Odorico, Ismael e Clodoaldo Bortoluzzi e tantos outros”.
Outro amigo de Euclides, o professor da UFSM Galileo Buriol também lamentou a morte do amigo: “Foi um grande companheiro. Sempre tranquilo, de boa paz, calmo, simples e discreto. Tinha bom relacionamento com as pessoas. Em nossos constantes encontros, nunca o via falar mal de alguém. Era um parceiro muito bom, e tenho visto depoimentos de ex-alunos que o consideravam um excelente professor de matemática”.
MISSA DE 7º DIA – Neste sábado (dia 10 de setembro) acontece a celebração de 7º dia do “Tio Clides”, como ele era carinhosamente chamado pelos filhos e netos. Será também uma oportunidade para encontros e para confortar a família pela perda do estimado Euclides.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS