Academia de Medicina Veterinária faz homenagem póstuma para Vallandro

0

Professor Titular Air Fagundes dos Santos

Em Assembleia da Academia Rio-Grandense de Medicina Veterinária (ARIMEV) realizada em 26 de outubro, na sala de Conferências do Centro de Ciências Rurais, Cláudio Mussói  do Centro de Ciências Rurais (CCR) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), foi prestada homenagem póstuma ao médico-veterinário Armando Vallandro, falecido em 2014 aos 94 anos. O professor Vallandro, como era conhecido no meio universitário, ocupou a Cadeira de nº 01 da ARIMEV.

A solenidade contou com a presença dos acadêmicos: Maristela Lovato (Presidente), Augusto Langeloh (Vice-presidente), Andréia Troller Pinto (Tesoureira), Air Fagundes dos Santos, Élbio Jorgens e Augusto César da Cunha e dos seguintes convidados: Serena Vallandro e seus familiares, Paulo Afonso Burmann e Paulo Bayard Dias Gonçalves, respectivamente Reitor e Vice-reitor da UFSM, Irineo Zanella – Diretor do CCR e João César Dias Oliveira – Coordenador do Curso de Medicina Veterinária.

A presidente da ARIMEV, professora Maristela, no ato de abertura da Sessão Solene, ao declarar aberto os trabalhos, cumprimentou os convidados. Logo passou a palavra ao seu confrade Air Fagundes dos Santos, ocupante da cadeira nº 11 da Entidade, encarregado de prestar a homenagem ao professor Armando Vallandro.

Confira abaixo, um resumo do discurso do acadêmico, Air Fernandes, em homenagem à trajetória do professor Armando Vallandro:

 

Foto arquivo CMVSM
Foto arquivo CMVSM

 

Inicialmente o professor Air agradeceu o privilégio por ter sido escolhido a prestar tão significativa homenagem e, ao mesmo tempo, lamentou a impossibilidade da participação do Acadêmico Ney Luis Pippi por estar viajando ao exterior. Considerando que essa importante missão estava projetada para ser compartilhada entre ambos. Aproveitou para esclarecer que aceitou o convite por ter convivido com o homenageado por mais de 30 (trinta) anos, desde os tempos de estudante até sua aposentadoria na UFSM.  Convivência, especialmente, na Coordenação do Curso de Medicina Veterinária, o que lhe permitiu absorver muito da sua experiência como homem de grande visão. Destacando-se, deste aprendizado, os primeiros passos para criação do Estágio Curricular Supervisionado nos cursos de Medicina Veterinária, mais tarde uma realidade no ensino superior brasileiro.

Começou lembrando que Armando Vallandro, natural de Santa Maria, graduou-se em Medicina Veterinária, em 1945, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Veio exercer, na sua terra natal, a profissão no serviço público, atuando em inspeção de carnes e derivados. Atividade de grande interesse em segurança alimentar.

Merecendo destaque, nos primeiros anos da década de sessenta, o fato de Vallandro ter participado sob a liderança de José Mariano da Rocha Filho, ao lado de outros profissionais, das primeiras tratativas para instalação da Universidade de Santa Maria, particularmente em relação aos cursos de Agronomia e Medicina Veterinária.

O professor Air apontou como marco inicial na vida acadêmica do homenageado, o convite feito por Mariano da Rocha, em março de 1963, para lecionar na nova instituição de ensino.  Lotado no Instituto de Microbiologia e Parasitologia, depois denominado Departamento, onde atuava esse mentor da criação da primeira universidade do interior do Rio Grande do Sul.

Antes de começar a falar dos principais feitos do homenageado, o orador fez questão de enaltecer que certamente o professor Armando Vallandro foi o único reitor de universidade pública que fez um ciclo completo na administração do ensino brasileiro. Ou seja, saindo da sala de aula, onde lecionou em seis cursos de graduação (Medicina Veterinária, Medicina, Farmácia, Enfermagem, Odontologia e Agronomia) e retornando, como ex Reitor, à sala de aula no Departamento de Medicina Veterinária Preventiva, lecionando nos cursos de Medicina Veterinária (a disciplina de Medicina Veterinária Preventiva) e Zootecnia (a disciplina de Higiene e Profilaxia Animal), até o momento da aposentadoria compulsória como servidor público. Ensinando, o que mais gostava de fazer, após ter ocupado todos os cargos administrativos na mesma Instituição que lhe abriu às portas.

Sua caminhada em direção à gestão universitária, disse, começou já nos primeiros anos como docente, quando foi procurado por alguns dos seus colegas de ensino para que assumisse a Direção da Faculdade de Veterinária (mais tarde, Curso de Medicina Veterinária). Para que isto acontecesse, exigiu que seus pares decidissem mediante votação. Assim, tornando-se o 2º Diretor da Faculdade de Veterinária, com a distinção de presidir a 1ª cerimônia de Colação de Grau. Colocando no mercado de trabalho, em 1965, os primeiros médicos-veterinários graduados pela UFSM. Permanecendo neste cargo por quase 10 (dez) anos.

A seguir, com mais de uma década de docência, o segundo grande passo foi assumir a Vice-Direção do Centro de Ciências Rurais (CCR) por 3 (três) anos, atendendo convite do engenheiro agrônomo Derblay Galvão, mais tarde o 3º Reitor da Instituição. Quase que naturalmente, pela sua capacidade administrativa e com Derblay elevado a cargos na Reitoria, passou a exercer, de 1975 a 1978, a Direção do CCR.

Como terceiro passo importante nessa incursão pela administração universitária, ao sair da Direção do Centro, foi à nomeação a Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis – como 1º Pró-Reitor da mesma. Tão logo, veio a Vice-Reitoria para, finalmente, em dezembro de 1982, assumir a Reitoria – como 4º Reitor da UFSM. Onde permaneceu até o final de 1986.

O professor Vallandro na sua forma de administrar, como Reitor, voltou-se, entre outras preocupações, aos hospitais da UFSM. Transferindo o Hospital Universitário de Santa Maria para a Cidade Universitária, com novas estruturas. Promovendo melhorias no Hospital Veterinário Universitário (HVU) que havia sido inaugurado em 1973. Contudo, sem deixar de dispensar especial atenção, por ser produtor rural e egresso do CCR, ao aproveitamento da área territorial do Campus Universitário para a geração de alimentos provenientes da pecuária e da agricultura. Visando a comercialização, a preços acessíveis, para a comunidade universitária e para demais interessados. Para isto, efetivou a produção de hortifrutigranjeiros. Na produção animal deu destaque a frangos e ovos. 

Resumindo a sua trajetória universitária, que começou com como professor auxiliar (no ensino básico) – no Departamento de Microbiologia e Parasitologia do Centro de Ciências da Saúde (CCS), teve continuidade como Diretor/Coordenador da Faculdade de Veterinária/Coordenação de Curso da Medicina Veterinária. De pronto, Vice-Diretor e Diretor do CCR, Pró-reitor, Vice-reitor e Reitor. Regressando à sala de aula, onde ficou por 4 (quatro) anos como um simples professor da graduação, como fazia questão de demonstrar. Desta vez, no ensino profissionalizante – no Departamento de Medicina Veterinária Preventiva do CCR. Vallandro, ao encerrar seu mandato como Reitor, com certeza, poderia ter ido para Brasília, convites não lhe faltaram, mas abdicou para cumprir sua missão na UFSM e encerrar nela sua “vida universitária”.

O professor Air finalmente comentou que Vallandro na vida privada, além de produtor rural e militante na política partidária e profissional, tinha uma paixão por cavalos de corrida, sendo um contumaz frequentador do Jockey Club Santamariense. Ainda, quando jovem, conhecido como Picolé, havia sido jogador de basquete nos tempos áureos desse esporte em Santa Maria. Porém, na maneira de ser e agir, sua maior característica foi o respeito e a consideração que dispensava aos colegas de profissão, pouco importando se eram jovens ou idosos.

Essas são as nossas lembranças do eterno Professor Armando Vallandro, concluiu o Acadêmico Air em nome da Academia Rio-Grandense de Medicina Veterinária.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS