Artigo de Eloisa Antunes Maciel – Por que a França é alvo do terror?

0

Foto reprodução Le Monde
Foto reprodução Le Monde

 

Eloisa Antunes Maciel

 

França… Nação cujos habitantes tiveram origens comuns – relacionadas aos territórios “incorporados” entre si, sendo que entre esses, os gauleses teriam se destacado por suas participações marcantes na construção da antiga – atual nação do Velho Continente.

França nem sempre pacífica em sua história por vezes mesclada de heroísmo e feitos questionados por facções, nações estrangeiras e por membros de mesmas hostes – partidárias ou “sectárias”, de indivíduos de nacionalidade tradicional ou descendentes de emigrantes – desde os tempos remotos…

França – que em meio a vitórias e derrotas, marchas e contramarchas, progressos acentuados e alguns períodos de estagnação – geralmente superados por iniciativas, empenho e heroicas atuações de seus filhos assumidamente patriotas – manteve um saldo positivo em sua curva de desempenho articulado no contexto das nações pacíficas do Continente Europeu.

França afirmativa desde reis (alguns despóticos) a imperadores impetuosos (como Bonaparte), de heróis reconhecidamente notáveis (como De Gaule) e, posteriormente de presidentes cujos estilos de governo se afirmaram – ou declinaram – em decorrência da participação dos cidadãos franceses nos processos decisórios que vieram a marcar a trajetória da nação e afirmá-la no contexto universal…

França – cuja participação no contexto das nações civilizadas do Velho Mundo teve seus méritos e reconhecimento também universal nos diversos planos do conhecimento humano, destacando – se no plano artístico-cultural, no político-social e, entre outros, no plano da justiça- também no contexto internacional… Nesse intento participou de Guerras que foram decisivas para a Segurança Universal – como a Segunda Guerra Mundial e seus desdobramentos históricos… Em que tenha pesado algum saldo negativo a seu desfavor nessas diversas – e diferenciadas- participações, seus méritos foram- cedo ou tarde reconhecidos pela maioria de seus antigos adversários… Sua história afirmou-se progressivamente no tempo e na História Universal.

França que, em sua evolução histórica, “abriu” seu leque de cidadania a emigrantes que veio adotar como nativos, conferindo-lhes direitos antes somente reservados aos “ditos franceses natos” – sendo que atualmente esses adotados tem assegurado o direito de “retornar” à sua pátria de adoção, em caso de havê-la deixado anteriormente…

(No entanto, lamentavelmente, alguns dos terroristas que atualmente a atacam fazem parte deste contingente de beneficiários- como foi constatado nos dois grandes atentados promovidos por terroristas islâmicos – facções do EI)…

França herdeira de uma tradição milenar de integração entre povos e nações… França acolhedora, divulgadora da Arte e da Cultura de cunho universalista… França renomada por sua reconhecida importância no Contexto Universal… Que atualmente participa de tratativas para o restabelecimento da paz e da harmonia universal junto a nações que reprovam e rechaçam o terrorismo – vergonhosa chaga para a Humanidade no atual estágio de Modernidade Civilizatória…

Teria sido esse teu nobre gesto em prol da paz o desencadeante último das violentas agressões que sofreste?… Talvez não seja o único, mas o principal entre seus possíveis desencadeantes ocultos…

Nessa situação, embora violentada em teu território e através da perda de teus filhos e cidadãos adotados, confirmas, mais uma vez o teu papel de nação heroica no contexto de todas as nações – inclusive daquelas que atualmente se rendem ao terrorismo como meio equivocado de luta e poder na conquista de sua (falsa) soberania…

França heróica e acolhedora… Serás reconhecida pela tua condição inegavelmente civilizatória, defensora da paz e da harmonia universal… Da própria (re) humanização do Ser Humano Pleno, num futuro de paz e entendimento também plenos entre as nações…

“Allons enfants de La patrie!… Le jour de Glorie est´arrivé!”

 

 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS